Relatos de Campo – Mulheres da Floresta e o SUS

oifuturo.jpglogo-cns.gifsaude.gif

A Bagagem das Mulheres da Floresta no exercício do direito à saúde das famílias extrativistas da Amazônia Legal

PROJETO “A BAGAGEM DAS MULHERES DA FLORESTA: TRABALHANDO Estratégias e Mecanismos de Controle Social do SUS através da Informação e Comunicação”

Financiamento: Instituto OI Futuro e Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa do Ministério da Saúde

 

A história de D.

D., uma mulher jovem de 25 anos da Reserva Extrativista Terra Grande Pracuúba de São Sebastião da Boa Vista, Ilha do Marajó, Estado do Pará, esperava o seu primeiro filho quando chegou na cidade uma semana antes do parto para esperar o bebê. Quando começou a dor, numa quarta-feira, foi ao hospital. O enfermeiro fez o toque e disse que era pro outro dia. No outro dia (depois de muita dor), fizeram o toque de novo, mas falaram que não era ainda a hora. D. voltou para casa de parentes com muita dor. Voltou no hospital no mesmo dia, pois não agüentou mais a dor, mas fizeram ela esperar outro dia. Sexta-feira de manhã foi a primeira vez que ela foi atendida por um médico. D. perguntou se podia ter o bebê normal (a maioria das mulheres da família não pode ter parto normal); o médico disse que sim e que ia sair pela madrugada do sábado. Internou-a, mas não tinha leito no hospital. Portanto, D. estava forçada a ficar andando a noite toda. O médico falou para os enfermeiros ligar para ele caso algo grave acontecesse e saiu. D. andou a noite toda com dor insuportável. Ninguém ajudou. Comentário: „Sua hora vai chegar.“

Ela sozinha não conseguiu mais andar por tanta dor. Quando finalmente um enfermeiro entrou, ela disse que não dava mais conta de andar. A resposta: „Parto é assim mesmo.“ Bateu a porta e foi embora. D. ficou agoniada, pensando que ia morrer sozinha lá mesmo. Depois o enfermeiro mandou uma acompanhante – filha de uma pessoa doente que não fazia parte do balcão nem da equipe do hospital fazer o toque. Amanheceu sábado e ela andando pelo hospital. Às cinco da manhã chegou uma outra mulher para ter bebê; os enfermeiros mandaram ela andar também após fazer o toque. Ela também estava desesperada, sentou no vaso sanitário, pediu ajuda. A mãe dela pediu ao enfermeiro ajuda, pois sua filha ia ter nenem. Porém, ele disse que não era para ter ainda, que faltava 1 cm. Finalmente foi lá (furioso) e o bebê já estava quase caindo no vaso. Daí levaram ela para ter o bebê.

D. continuou andando (sem comida desde quarta-feira; ela não recebeu nem comida nem água). Às 6:30h trocou o plantão, dois enfermeiros chegaram, inclusive um conhecido da família que ficou assustado com a situaçaõ de D. Ele mandou ela sentar na cama para ter o bebê e fazer força. Mas ela já estava fraca de dor, fome e desespero. Ele disse que ela não ia ter normal e pediu pra ligar pro médico. O outro enfermeiro disse que não tinha o número do médico. Outro enfermeiro disse que o jeito era „cortar ela.“ O conhecido se negou a fazer e teve que sair para outra chamada. Então, o outro enfermeiro cortou e mandou um outro rapaz (D. não sabe se ele era enfermeiro) fazer força na barriga dela. O rapaz então pulou encima da barriga dela. Nessa altura o ouvido de D. começou a sangrar pela pressão interna. A vista de D. escureceu; ela perdeu consciência. Com mais força e violência conseguiram tirar o bebê que neste momento (9:30) já estava morto. D. acredita que a força aplicada na barriga dela foi o que matou o bebê, pois ela mesma estava totalmente roxa na barriga e nos braços pela violência dos enfermeiros.

Quando acordou a família (irmão, irmã e marido) estava revoltada no hospital . O médico chegou e ficou assustado, disse que ninguém ligou para ele e que ele tinha operado ela se alguém tivesso avisado ele. D. ficou internada mais uma noite.

 

Informação adicional no caso D.: Um ano antes de ter o bebê, D. teve dois abcessos no seio. Quando teve o primeiro, trabalhava em Belém. Quando ficou muito ruim, ela falou para sua tia que a levou para uma amiga dela que era médica que disse que era um abcesso e a mandou para um hospital. Duas enfermeiras furaram sem anestesia. Saiu muito pus. Colocaram drenagem, voltou normal e cicatrizou. Depois disso se criou outro abcesso. A tia a levou pelo plano de saúde a um médico, mas esse não a tratou bem, não explicou, foi muito mandão e desrespeitoso até a tia se revoltar. Mandou furar o segundo, mas deixou de explicar para D. que ia ter problema na amamentação por causa das cicatrizes e dos danos que os abcessos tinham feitos. Depois da segunda furação o bico ficou por dentro.

Depois de perder o bebê, então, D. sofreu muito pelo seio inchado de leite sem ele poder sair pelo bico. Ficou grandão e doeu muito. D. não foi mais ao médico nem hospital, mas tomou remédio caseiro. Sofreu por três meses.

 

A história de M.

No dia 20 de dezembro, M., uma jovem de 22 anos e grávida no nono mês, da comunidade Terras Altas da Reserva Extrativista Arióca-Pruanã de Oeiras do Pará, foi ferrada por um mandií enquanto pescava. M. procurou ajuda médica e recebeu um remédio na mão e anestesia no braço. O remédio queimou a pele da jovem. Mais grave: a anestesia causou inflamação do braço e a formação de um abcesso no mesmo. Voltando para o posto de saúde, ela não conseguiu atendimento e ficou até o dia 9 de janeiro com dor de alta intensidade e com abcesso de grande tamanho. Apenas no dia 9 de janeiro, M. conseguiu viajar à cidade de Oeiras onde um médico furou o abcesso, já de um tamanho de quase 10cm de comprimento e 4cm de largura (veja foto do buraco no braço).

Ficou mais seis dias com braço aberto até ser convidada a viajar a Belém pelo Auxiliar de Campo do CNS – Projeto OI Futuro, Ginaldo Lopes, para ser tratada na capital. Chegou na segunda-feira de manhã, no dia 15 de janeiro, acompanhada pela multiplicadora Kátia da Bagagem das Mulheres da Floresta – CNS Saúde, que a levou à URI na Castelo Branco. Lá, M. foi atendida por uma médica que apenas a mandou fazer curativo na farmácia da Unidade. Porém, chegando na mesma, M. foi mandada para rua com o comentário que não havia material. Assim, a jovem, cansadíssima, grávida, com muito medo de perder o braço e apenas uma toalha para cobrir o buracão no braço, se encontrou nas ruas de Belém sem atendimento nenhum pelo SUS.

Finalmente, por contatos pessoais de colegas com um médico, M. conseguiu ser atendida na tarde da segunda-feira por um médico que a mandou internar imediatamente para fazer cirurgia no braço. Ela ficou no hospital das Clinicas de Ananindeua, durante toda a terça-feira recebendo curativo e antibiótico. A cirurgia agendada para quarta-feira não foi realizada devido o estado avançado de gravidez, mas foi feito uma limpeza pelo médico. M. continuou internada até sexta-feira, recebendo curativo e remédio (que ela continua a tomar) e voltou para sua comunidade na sexta-feira à noite com melhoramento visível do braço. 31 dias após o incidente ocorrido com o peixe.

 

Os relatos dados acima são resultados do nosso trabalho com o projeto “A Bagagem das Mulheres da Floresta.” A situação de M. de Oeiras foi colocada ao CNS pela multiplicadora Katia que – conscientizada pelo treinamento – fez contato com a coordenação em Belém para denunciar o ocorrido e solicitar apoio.

O mau-trato de D. aconteceu oito meses atrás, mas foi revelado agora diretamente à Coordenadora de Campo, Julia, pela própria vítima. No início era tímida, relatou apenas que “ja sofreu muito pelo SUS” e só com motivação e apoio da coordenadora se abriu para contar o acontecido. Vimos a importância, então, destas mulheres da floresta continuarem em busca de mecanismos para o controle social do SUS, com um projeto financiado pelo MS – SEGEP e, principalmente, da conscientização das mulheres sobre os seus direitos, de terem um Centro de Referência e Apoio como estamos construíndo com o projeto Oi Futuro.

 

 

Relato escrito por Julia Kendlbacher – Coordenadora de Campo através dos depoimentos das vítimas, da multiplicadora Kátia – mulheres da floresta e do Auxiliar de Campo Ginaldo Lopes.

Uma resposta to “Relatos de Campo – Mulheres da Floresta e o SUS”

  1. Cristina Maia Says:

    Querida Júlia, infelizmente, deparamos lamentavelmente, com denuncias/relatos como estes. Acredito que somente com informações, denuncias, e evidentemente, com punição dos responsáveis, conseguiremos ter o SUS que queremos e precisamos. Abraços, Cristina Maia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: